A Padeira de Aljubarrota

28-02-2012 15:25

 

 

            Era aquela a batalha decisiva. Terminada que estivesse, o futuro de Portugal estaria decidido. Nação independente, ou província de Espanha.

            Dom João I mal tivera tempo para se firmar no trono, mas aquele não era o momento para fraquezas ou hesitações. Havia que vencer os castelhanos de numa vez por todas.

O exército castelhano era, no entanto, muito superior ao português. Superior em número e armamento.

Aos portugueses restavam outras vantagens. Contavam com o muito jovem, mas já Condestável do reino, Dom Nuno Álvares Pereira, um estratega militar de excepção. Contavam com a juventude e o entusiasmo dos elementos do seu exército, nomeadamente a Ala dos Namorados, que naquele dia tórrido de Verão, sem uma gota de água, quase mortos de sede, conseguiram vencer aquela batalha, e contavam com a vantagem de estarem combatendo na sua própria terra, conhecendo o terreno e beneficiando de algum apoio por parte da população local.

Foi o que aconteceu naquele dia 14 de Agosto de 1385. No campo de batalha os homens pelejavam. Dentro de uma pequena casa uma mulher amassava o seu pão. Brites de Almeida se chamava, aquela a quem  a tradição popular viria a chamar a Padeira de Aljubarrota. Cá fora os homens continuavam a guerrear. Só que nem todos os homens nasceram para a guerra. No seio do exército castelhano, onde certamente existiriam muitos homens de coragem, existiam também alguns cobardes, um pequeno grupo de homens, sete ao todo, sem disposição para combater. Homens sem valor, como existem em todos os tempos e em todos os lugares.

O certo é que no momento em que Brites de Almeida se preparava para cozer o seu pão, ouviu um ruído dentro do forno. Primeiro pensou que se trataria talvez de algum pequeno rato do campo, um ratito de olhos pretos e vivos, em busca de  algum pedaço de côdea. Pôs-se à escuta, e percebeu então que o seu forno tinha sido o refúgio que os soldados castelhanos haviam escolhido para se esconderem. Eram homens que falavam lá dentro, sussurrando baixinho.

 

 

 

Brites de Almeida não era mulher para ter medo do que quer que fosse. Acendeu o forno, por forma a obrigá-los a fugir do calor e do fumo, e à medida que iam saindo, com a pá do forno, foi-os matando a todos, um por um.

Os portugueses vencerem aquela terrível batalha de Aljubarrota. Muitos se terão salvo, alguns terão morrido. Mas esta padeira que a tradição guardou, e que é talvez a heroína popular mais amada pelos Portugueses.

Em memória da sede que os nossos soldados suportaram heroicamente, ainda hoje o viajante que passe dispõe de uma bilha de água que é mantida sempre limpa e fresca, da qual poderá beber à vontade.

 Martins, David, Lendas de Portugal,  Lyon Edições