O Menino que teimou em não querer comer a sopa

28-02-2012 16:11

 

 

- Vem, ó menino, come a tua sopa.
- Não a comerei!
- Vem, tu, palmatória, bate ao menino.
- Não lhe baterei!
- Vem tu, ó braseiro, queima a palmatória.
- Não a queimarei!
- Vem tu, água fria, apaga o braseiro.
- Não apagarei!
- Vem tu, vitelinho, bebe a água fria.
- Não a beberei!
- Vem tu, facalhão, mata o vitelinho.
- Não o matarei!
- Vem tu, ó ferreiro, quebra-me esta faca.
- Não a quebrarei!
- Vem tu corda grossa, prende-me o ferreiro.
- Não o prenderei!
- Vem tu, ó ratinho, rói a corda grossa.
- Não a roerei!
- Vem então, ó gato, papa-me esse rato!
- Vou papá-lo já!
- Para quê papar-me? Tragam-me essa corda, eu a roerei.
- Para quê roer-me? Tragam-me o ferreiro, eu o prenderei.
- Para quê prender-me? Tragam-me essa faca, eu a quebrarei.
- Para quê quebrar-me? Tragam-me o vitelinho, eu o matarei.
- Para quê matar-me? Tragam-me essa água, eu a beberei.
- Para quê beber-me? Tragam-me o braseiro, eu o apagarei.
- Porquê apagar-me? Venha a palmatória, eu a queimarei.
- Para quê queimar-me? Tragam-me o menino, eu lhe baterei.
- Para quê bater-me? Tragam-me essa sopa, vou comê-la já!

António Sérgio