O Criado Mentiroso

28-02-2012 16:10

 

 

 

Certo lavrador tinha, havia pouco tempo, um criado que viera de muito longe e mentia por gosto.

Iam os dois uma vez a cavalo e disse o criado:

- Lá na minha terra, vi um dia uma raposa ainda maior do que a ponte de sete arcos que atravessa o rio.

- Bem andaste falando-me em pontes - disse o amo - pois quero dar-te um aviso. Vamos daqui a pouco atravessar uma que tem um condão especial.

- E qual é? - perguntou o criado.

- Abre-se pelo meio, quando por ela passa quem nesse dia haja pregado alguma peta.

O criado enfiou, e de ali a bocadinho disse ao amo:

- Tamanha como a ponte não seria a raposa, mas era assim como um boi muito grande.

O amo não lhe respondeu, e o criado que ia cavalgando atrás dele, coçava a orelha, muito atrapalhado.

- E talvez nem chegasse ao tamanho de um boi; como um cavalo é que ela  

era, ou como um burro.

Já se avistava a ponte. O moço pôs-se a tremer.

Se ela se abrisse debaixo dos pés, a queda ao rio era certamente mortal. Foi então dizendo:

- Era como um burro, era; assim como um burro pequenino, acabado de nascer, pouco maior que um cão.

A ponte era altíssima. O pobre criado, já a voz lhe sumia de todo, quando acrescentou:

- A verdade, a pura verdade, é que a raposa era como todas as raposas.

Já o amo ia na ponte. Olhou para trás e viu o criado que parara à entrada.

- Então? - perguntou-lhe - O cavalo tem medo?

- Não, senhor. - respondeu-lhe o moço - sou eu que não me atrevo.

- Então porquê?

- É que eu, patrão, nunca vi raposa nenhuma.

E, persuadido enfim de que já não lhe aconteceria mal, meteu esporas ao cavalo e seguiu o lavrador, que ria às gargalhadas.

 

Conto Tradicional Português